Sobre o Coronavírus

O que são os coronavírus?

Os Coronavírus são uma grande família viral que causam infecções respiratórias em seres humanos e em animais. Os Coronavírus humanos causam doença respiratória, de leve a moderada, no trato respiratório superior. Esses vírus receberam esse nome devido às espículas na sua superfície, que lembram uma coroa.

Os primeiros Coronavírus humanos foram inicialmente identificados em meados da década de 1960. Os Coronavírus que infectam humanos são:

  • Alpha coronavírus 229E e NL63;
  • Beta coronavírus OC43 e HKU1;
  • SARS-CoV (causador da Síndrome Respiratória Aguda Grave ou SARS);
  • MERS-CoV (causador da Síndrome Respiratória do Oriente Médio ou MERS).

IMPORTANTE: A maioria das pessoas se infecta com um ou mais coronavírus comum durante a vida. Crianças pequenas estão mais propensas à infecção. Contudo, um indivíduo pode ter múltiplas infecções ao longo da vida.

Quais são os sintomas dos coronavírus?

Os coronavírus humanos comuns geralmente causam infecções leves ou moderadas do trato respiratório superior, com curta duração. Os sintomas podem incluir coriza; dor de garganta; febre.IMPORTANTE: Esses vírus, algumas vezes, podem causar infecção do trato respiratório inferior, como as pneumonias – que são mais comuns em pessoas com doenças cardiopulmonares, com sistema imunológico comprometido ou idosos.

Como os coronavírus são transmitidos?

O modo de transmissão dos coronavírus humanos comuns acontece das seguintes formas:

  • Pelo ar;
  • Por meio de tosse ou espirro;
  • Contato pessoal próximo, como toque ou aperto de mão;
  • Contato com objetos ou superfícies contaminadas, seguido então de contato com a boca, nariz ou olhos.

O período de incubação dos coronavírus, ou seja, período em que os sintomas surgem desde a infecção no organismo, é de 2 a 14 dias. Já sobre o período de transmissibilidade, de uma forma geral, ocorre apenas enquanto persistirem os sintomas.

É possível a transmissão viral após a resolução dos sintomas, mas a duração do período de transmissibilidade é desconhecida para o SARS-CoV e o MERS-CoV. Durante o período de incubação e em casos assintomáticos, os coronavírus não são contagiosos.

Como é feito o diagnóstico dos coronavírus?

O diagnóstico dos coronavírus é basicamente clínico, com avalição do profissional de saúde e análise dos sintomas.

Para confirmar a presença do vírus, podem ser feitos exames de sangue, fezes e/ou secreções nasais, por meio de testes sorológicos, PCR e cultura viral.

Em casos mais graves, que são raros, pode ser necessária a internação do paciente. O diagnóstico e exames são feitos pelo profissional de saúde, de acordo com a situação de cada caso.

Como é feito o tratamento dos coronavírus?

Não existe tratamento específico para infecções causadas por coronavírus humano.

No caso dos coronavírus humanos comuns, a maioria das pessoas se recuperam sozinhas após alguns dias, com repouso e consumo de bastante água. Porém, algumas medidas podem ser adotadas para aliviar os sintomas, como:

  • Uso de medicamento para dor e febre (antitérmicos e analgésicos).
  • Uso de humidificador no quarto ou tomar banho quente para auxiliar no alívio da dor de garanta e tosse.
  • Ingestão de líquidos.
  • Repouso.

IMPORTANTE:  No caso de suspeita dos tipos MERS ou SARS, um médico deve ser consultado imediatamente. Nos casos de pacientes com sintomas graves, é recomendada internação e suporte ventilatório, mas essas medidas variam conforme cada caso e com a devida indicação médica.

Como prevenir os coronavírus?

Para redução do risco de adquirir ou transmitir doenças respiratórias, especialmente as de grande infectividade, como os coronavírus, são recomendadas medidas gerais de prevenção, como:

  • Frequente lavagem e higienização das mãos, principalmente antes de consumir algum alimento.
  • Utilizar lenço descartável para higiene nasal.
  • Cobrir nariz e boca quando espirrar ou tossir.
  • Evitar tocar mucosas de olhos, nariz e boca.
  • Higienizar as mãos após tossir ou espirrar.
  • Não compartilhar objetos de uso pessoal, como talheres, pratos, copos ou garrafas.
  • Manter os ambientes bem ventilados.
  • Evitar contato próximo a pessoas que apresentem sinais ou sintomas de infecção respiratória.

FONTE: Ministério da Saúde

Janeiro Branco: Precisamos falar sobre saúde mental

O mundo pede, o mundo precisa e todo mundo que compõe a humanidade tem direito à Saúde Mental. Direito à Saúde Mental e a informações sobre Saúde Mental. Somente as corretas informações sobre tudo o que pode produzir Saúde e Saúde Mental nas vidas dos indivíduos é que conseguirão ajudar as pessoas a terem vidas mais harmônicas, mais felizes, mais saudáveis, com mais sentido e com mais propósitos que façam bem a todos.

Precisamos falar sobre Saúde Mental e sobre absolutamente tudo o que diz respeito às múltiplas dimensões da Saúde Mental dos indivíduos e das instituições sociais.

Precisamos falar sobre Saúde Mental e ensinar os indivíduos a pensarem sobre as condições pessoais, sociais, materiais, culturais, subjetivas e objetivas nas quais vivem, nas quais se relacionam e nas quais reproduzem as suas existências.

A Campanha Janeiro Branco, a maior Campanha do mundo em prol da construção de uma cultura da Saúde Mental na humanidade, nasceu para tornar realidade o ideal de um mundo mais saudável em relação a tudo o que diz respeito à subjetividade dos indivíduos.

Por isso, precisamos falar sobre Saúde Mental, convidando as pessoas para cuidarem de si e da saúde de todos, contribuindo para um mundo com mais sentidos, mais harmonia e mais culturas saudáveis para as mentes, os corpos e as relações sociais de todos.

PRECISAMOS FALAR SOBRE SAÚDE MENTAL E SOBRE TUDO O QUE DIZ RESPEITO À SAÚDE MENTAL DAS PESSOAS, DAS SOCIEDADES E DE TODA A HUMANIDADE!

Julho verde: Combate ao câncer de cabeça e pescoço

O Dia Mundial de Conscientização e Combate ao Câncer de Cabeça e Pescoço é celebrado no dia 27 de julho. A Sociedade Brasileira de Cirurgia de Cabeça e Pescoço (SBCCP), que vem há 50 anos buscando o melhor para a prevenção e tratamento da doença, promove durante todo o mês de julho atividades de conscientização e informação no combate a este tipo de câncer.

Em apoio à campanha da Associação de Câncer de Boca e Garganta (ACBG), que tem por iniciativa estimular a prevenção “boca a boca”, sendo a boca um dos alvos da doença, e dela deve sair a mensagem de alerta, a SBCCP e seus institutos parceiros chamam a atenção de toda a população para a importância dessa prevenção e a urgência de implementação de políticas públicas por parte das autoridades de saúde.

A infecção pelo papilomavírus (HPV) tem contribuído, nos últimos anos, com o aumento na incidência desta doença, segundo a SBCCP. “A infecção pelo HPV é um importante fator de desenvolvimento do câncer de faringe. Uma das formas
de contágio por essa infecção é por meio da prática do sexo oral e em pessoas com múltiplos parceiros sexuais”, explica o cirurgião de cabeça e pescoço Dr. Fernando Walder, presidente da SBCCP.

São cerca de 41 mil novos casos anualmente, segundo estimativas do Instituto Nacional de Câncer (Inca). Trabalhos brasileiros demonstram que cerca de 7% da população pode ter infecção pelo HPV detectada na boca.

“O número parece pequeno, mas em um contexto de 200 milhões de pessoas, esse percentual representa cerca de 14 milhões de indivíduos em risco de desenvolver a doença no Brasil”, explica o cirurgião de cabeça e pescoço Dr. Leandro Luongo de Matos, membro da SBCCP.
Em prol dessa ação, a proposta é utilizar a cor verde e a hashtag #julhoverde para disseminar a informação sobre o tema e atingir o maior número possível de pessoas, com ações na internet, redes sociais e nas ruas.

Alerta
O diagnóstico precoce e o rápido início do tratamento são fundamentais para a cura do câncer de cabeça e pescoço. Um dos principais problemas para o tratamento é o diagnóstico tardio, que ocorre em 60% dos casos, deixando sequelas no paciente.

Segundo levantamento do Inca, o câncer de boca, laringe e demais sítios é hoje o segundo mais frequente entre os homens, atrás somente do câncer de próstata. Nas mulheres, prepondera o câncer da tireoide, sendo o quinto mais comum entre elas.

Outro alvo também atinge fumantes e pessoas que fazem uso frequente de bebidas alcoólicas. Porém é cada vez mais frequente o diagnóstico da doença em indivíduos jovens (menores que 45 anos), sem a exposição a estes fatores, com tumores originados pelo HPV.

Os tumores de cabeça e pescoço são uma denominação genérica do câncer que se localiza em regiões como boca, língua, palato mole e duro, gengivas, bochechas, amígdalas, faringe, laringe (onde é formada a voz), esôfago, tireoide e seios paranasais.

10 dicas para uma vida mais saudável

1 – Descasque mais e desembrulhe menos!


É comprovado cientificamente que a alimentação desempenha um papel essencial na saúde e na qualidade de vida do indivíduo uma vez que previne diversos tipos de doenças como câncer, diabetes, hipertensão, doenças cardíacas e outras. As pessoas devem optar por comida de verdade, ou seja, alimentos naturais, evitando os processados. Temos que aprender a descascar mais e desembrulhar menos. O prato saudável deve ter variedade de cores.

2 – 300 minutos de atividade física na semana

O Colégio Americano de Medicina do Esporte, referência em exercícios físicos, preconiza que o indivíduo realize pelo menos 300 minutos de atividades aeróbicas de intensidade moderada a vigorosa, distribuídas na maior parte dos dias da semana (mais de 4) para que se diminua o peso corporal. Os exercícios de força, nesse contexto, auxiliam na redução do percentual de gordura corporal através do ganho de massa magra, o que mantém o metabolismo de gorduras acelerado. Aliar os dois tipos de exercício é a melhor forma de emagrecer.

3 – Faça pequenos intervalos entre as refeições

A recomendação, em linhas gerais, é para que as pessoas se alimentem de 3 em 3 horas (5-6 refeições ao dia) evitando, assim, o consumo de grande quantidade de alimentos muitas vezes de baixo valor nutricional em uma única refeição. Porém, deve-se ressaltar que cada indivíduo é único e tem suas próprias necessidades. Neste caso, buscar orientação médica é sempre o ideal.

4 – Beba água quando sentir sede

Muita gente se culpa por não conseguir ingerir três litros de água por dia. Mas não é necessário porque essa máxima é um mito. Deve-se tomar água quando estiver com sede. Os cuidados em relação a um volume mínimo devem ser observados em pacientes idosos e crianças porque a diminuição da sede costuma ser maior nestas faixas-etárias.

5 – Gaste mais e guarde menos

A obesidade, na grande maioria dos casos, está relacionada a um balanço energético positivo, ou seja, o indivíduo ingere mais calorias do que consegue gastar por meio do seu metabolismo de basal (repouso), das atividades físicas e do efeito térmico dos alimentos. Em virtude disso, ter hábitos saudáveis, mantendo uma alimentação saudável e balanceada, e gastar calorias é o caminho para se manter no peso ideal.

6 – Evite o estresse

O estresse excessivo torna o organismo mais fadigado. Então, os sintomas físicos e psicológicos começam a surgir. Sob estresse, o cérebro funciona de forma sobrecarregada, gerando distúrbios de sono, problemas de memória e atenção, além de irritabilidade e sensibilidade excessiva. Essas fadigas podem se refletir até na imunidade e no sistema gastrointestinal, o que podem gerar, respectivamente, resfriados e gastrites.

7 – Lave as mãos!

O Dia Mundial da Higienização das Mãos, celebrado em 5 de maio, foi criado em 2009 pela Organização Mundial da Saúde (OMS) com o intuito de conscientizar as pessoas sobre a importância do simples ato de lavar as mãos. Esta é uma recomendação necessária principalmente quando for tocar algo que possa estar sujo ou contaminado. Lavar as mãos traz inúmeros benefícios para a saúde porque evita a transmissão de infecções através de germes e bactérias.

8 – Respire bem!

Quando trabalhamos com técnicas que envolvem respiração profunda e longa, incentivamos a respiração adequada. Este hábito auxilia na regularização do funcionamento do organismo e, consequentemente, na normalização dos batimentos cardíacos e no relaxamento muscular, o que evita o surgimento de doenças relacionadas ao estresse.

9 – Está com dor? Vá ao médico

A dor é um sintoma de que algo está errado. Na grande maioria das vezes, a causa é conhecida e sua gravidade consegue ser qualificada por quem sofre, por exemplo, um trauma muscular ou uma enxaqueca. No entanto, ir ao especialista é sempre recomendável se uma dor aparecer, ou, principalmente, persistir.

10 – Cultive e preserve círculos sociais

Círculos sociais ativos possibilitam contatos com compreensões e pensamentos diferentes. Proporciona aprendizado e desenvolvimento social constante, podendo contribuir para a diminuição de atritos e para o aumento da sensação de acolhimento.

Prevenção e Sintomas do câncer de próstata

Prevenção

Já está comprovado que uma dieta rica em frutas, verduras, legumes, grãos e cereais integrais, e com menos gordura, principalmente as de origem animal, ajuda a diminuir o risco de câncer, como também de outras doenças crônicas não-transmissíveis. Nesse sentido, outros hábitos saudáveis também são recomendados, como fazer, no mínimo, 30 minutos diários de atividade física, manter o peso adequado à altura, diminuir o consumo de álcool e não fumar.

Sintomas

Em sua fase inicial, o câncer da próstata tem evolução silenciosa. Muitos pacientes não apresentam nenhum sintoma ou, quando apresentam, são semelhantes aos do crescimento benigno da próstata (dificuldade de urinar, necessidade de urinar mais vezes durante o dia ou a noite). Na fase avançada, pode provocar dor óssea, sintomas urinários ou, quando mais grave, infecção generalizada ou insuficiência renal.A idade é um fator de risco importante para o câncer de próstata, uma vez que tanto a incidência como a mortalidade aumentam significativamente após os 50 anos.

Pai ou irmão com câncer de próstata antes dos 60 anos pode aumentar o risco de se ter a doença de 3 a 10 vezes comparado à população em geral, podendo refletir tanto fatores genéticos (hereditários) quanto hábitos alimentares ou estilo de vida de risco de algumas famílias.

 

Câncer de próstata

A próstata é uma glândula que só o homem possui e que se localiza na parte baixa do abdômen. Ela é um órgão muito pequeno, tem a forma de maçã e se situa logo abaixo da bexiga e à frente do reto. A próstata envolve a porção inicial da uretra, tubo pelo qual a urina armazenada na bexiga é eliminada. A próstata produz parte do sêmen, líquido espesso que contém os espermatozóides, liberado durante o ato sexual.

No Brasil, o câncer de próstata é o segundo mais comum entre os homens (atrás apenas do câncer de pele não-melanoma). Em valores absolutos e considerando ambos os sexos é o quarto tipo mais comum e o segundo mais incidente entre os homens. A taxa de incidência é maior nos países desenvolvidos em comparação aos países em desenvolvimento.

Mais do que qualquer outro tipo, é considerado um câncer da terceira idade, já que cerca de três quartos dos casos no mundo ocorrem a partir dos 65 anos. O aumento observado nas taxas de incidência no Brasil pode ser parcialmente justificado pela evolução dos métodos diagnósticos (exames), pela melhoria na qualidade dos sistemas de informação do país e pelo aumento na expectativa de vida.

Alguns desses tumores podem crescer de forma rápida, espalhando-se para outros órgãos e podendo levar à morte. A grande maioria, porém, cresce de forma tão lenta (leva cerca de 15 anos para atingir 1 cm³ ) que não chega a dar sinais durante a vida e nem a ameaçar a saúde do homem.

A origem do novembro azul

A campanha começou na Austrália, em 1999, quando um grupo de amigos teve a ideia de deixar o bigode crescer durante todo o mês como apoio à conscientização da saúde masculina. E o mês de novembro foi o escolhido justamente por comemorar no dia 17 o Dia Mundial de Combate ao Câncer de Próstata.

A campanha foi um sucesso e alguns anos depois o país todo estava participando e foi criada o Movember (Moustache + November em inglês = Bigode e Novembro) em 2004. A ideia então era que os homens deixassem o bigode crescer durante todo o mês de novembro para espalhar a conscientização da importância do cuidado a saúde masculina, com foco principal no câncer de próstata.

Hoje a campanha ja ganhou o mundo e no Brasil o Novembro Azul já faz parte do calendário nacional de prevenções.

Homens com história familiar de câncer de próstata devem iniciar a prevenção a partir dos 40 anos e o restante da população masculina a partir dos 50 anos de idade.

Dicas para a prevenção e rastreamento do câncer de mama

Prevenção

1. Tenha uma alimentação equilibrada rica em frutas, legumes e verduras.

Lentilha, feijão branco, grão de bico são algumas leguminosas que ajudam a prevenir o surgimento de compostos cancerígenos.

2. Não fume

Pesquisas apontam que fumar aumenta e muito as chances de ter câncer de mama.

3. Não beba

O consumo de bebida alcoólica aumenta as chances de desenvolver câncer de mama, principalmente associado ao tabaco.

4. Evite a reposição hormonal

Não é recomendável, porém se precisar, faça-o sob orientação médica.

5. Pratique a atividade física e evite o sedentarismo

Mulheres obesas produzem maior quantidade de estrogênio, que é um hormônio feminino  que pode estar associado ao aparecimento do câncer de mama.

6. Amamente

Mulheres que amamentam por mais tempo reduzem o risco de câncer de mama

7. Tome banho de sol por 10min uma vez por dia

O sol aumenta a produção de vitamina D, o que reduz a metade o risco de câncer de mama.

Rastreamento

A sociedade brasileira de mastologia orienta a realização da mamografia a partir dos 40 anos de idade.

Faça sempre o auto-exame

Origem do outubro rosa

Outubro rosa é uma campanha de conscientização que tem como objetivo principal alertar as mulheres e a sociedade sobre a importância da prevenção e do diagnóstico precoce do câncer de mama. O movimento popular internacionalmente conhecido é comemorado em todo o mundo. O nome remete à cor do laço rosa que simboliza, mundialmente, a luta contra o câncer de mama e estimula a participação da população, empresas e entidades.

Este movimento começou nos Estados Unidos, onde vários Estados tinham ações isoladas referente ao câncer de mama e ou mamografia no mês de outubro, posteriormente com a aprovação do Congresso Americano o mês de outubro se tornou o mês nacional de prevenção do câncer de mama nos EUA.

A história do outubro Rosa remonta à última década do século 20, quando o laço cor-de-rosa, foi lançado pela Fundação Susan G. Komen for the Cure e distribuído aos participantes da primeira Corrida pela Cura, realizada em Nova York, em 1990 e, desde então, promovida anualmente na cidade.

Em 1997, entidades das cidades de Yuba e Lodi nos Estados Unidos, começaram efetivamente a comemorar e fomentar ações voltadas a prevenção do câncer de mama, denominando como outubro Rosa. Todas ações eram e são até hoje direcionadas a conscientização da prevenção pelo diagnóstico precoce. Para sensibilizar a população inicialmente as cidades se enfeitavam com os laços rosas, principalmente nos locais públicos, depois surgiram outras ações como corridas, eventos e palestras.

A ação de iluminar de rosa monumentos, prédios públicos, pontes, teatros e etc. surgiu posteriormente, e não há uma informação oficial, de como, quando e onde foi efetuada a primeira iluminação. O importante é que foi uma forma prática para que o outubro Rosa tivesse uma expansão cada vez mais abrangente para a população e que, principalmente, pudesse ser replicada em qualquer lugar, bastando apenas adequar a iluminação já existente.

No Brasil, a primeira ação referente ao outubro Rosa aconteceu em São Paulo, no ano de 2002. O monumento Mausoléu do Soldado, popularmente conhecido como Obelisco do Ibirapuera, foi iluminado com a cor rosa durante todo o mês de outubro. Posteriormente, mais e mais cidades brasileiras também passaram a apoiar a causa: Rio de Janeiro, Salvador, Porto Alegre, Brasília, Recife e muitas outras começaram a iluminar seus “cartões postais” com a cor rosa.

Câncer colorretal: Prevenção e detecção precoce

Prevenção

Uma dieta rica em fibras, composta de alimentos como frutas, verduras, legumes, cereais integrais, grãos e sementes, além da prática de atividade física regular, previne o câncer colorretal. Deve-se evitar o consumo de bebidas alcoólicas, de carnes processadas e de quantidades acima de 300 gramas de carne vermelha cozida por semana. Alguns fatores aumentam o risco de desenvolvimento da doença, como idade acima de 50 anos, história familiar de câncer colorretal, história pessoal da doença (já ter tido câncer de ovário, útero ou mama), além de obesidade e inatividade física.

Também são fatores de risco doenças inflamatórias do intestino, como retocolite ulcerativa crônica e doença de Crohn, bem como doenças hereditárias, como polipose adenomatosa familiar (FAP) e câncer colorretal hereditário sem polipose (HNPCC).

Sintomas

Pessoas com mais de 50 anos com anemia de origem indeterminada e que apresentem suspeita de perda crônica de sangue no exame de sangue devem fazer endoscopia gastrintestinal superior e inferior. Mudança no hábito intestinal (diarréia ou prisão de ventre), desconforto abdominal com gases ou cólicas, sangramento nas fezes, sangramento anal e sensação de que o intestino não se esvaziou após a evacuação são sinais de alerta.

Também pode ocorrer perda de peso sem razão aparente, cansaço, fezes pastosas de cor escura, náuseas, vômitos e sensação dolorida na região anal, com esforço ineficaz para evacuar. Diante desses sintomas, procure orientação médica.

Detecção precoce

Esses tumores podem ser detectados precocemente através de dois exames principais: pesquisa de sangue oculto nas fezes e endoscopias (colonoscopia ou retossigmoidoscopias). Esses exames devem ser realizados em pessoas com sinais e sintomas sugestivos de câncer colorretal visando seu diagnóstico precoce, ou naquelas sem sinais e sintomas (rastreamento), mas pertencentes a grupos de maior risco. A OMS preconiza o rastreamento sistemático de pessoas acima de 50 anos naqueles países com condições de garantir todas as etapas de cuidado ao paciente com este câncer.